Git
Chapters ▾ 2nd Edition

1.6 Começando - Configuração Inicial do Git

Configuração Inicial do Git

Agora que tens o Git no teu sistema, deves fazer algumas coisas para personalisar o ambiente do Git. Tens que fazer isto apenas uma vez por computador e o efeito irá se manter após atualizações. Também podes mudá-las a qualquer momento executando estes comandos novamente.

O Git vem com uma ferramente chamada git config que permite ver e atribuir variáveis de configuração que controlam todos os aspectos de como o Git aparece e opera. Estas variáveis podem ser armazenadas em três locais diferentes:

  1. /etc/gitconfig: válido para todos os utilizadores no sistema e todos os teus repositórios. Se tu passares a opção --system para git config, ele lê e escreve neste arquivo.

  2. ~/.gitconfig ou ~/.config/git/config: Somente para o teu utilizador. Tu podes fazer o Git ler e escrever neste arquivo passando a opção --global.

  3. config no diretório Git (ou seja, .git/config) de qualquer repositório que tu estejas a usar: específico para este repositório.

Cada nível sobreescreve os valoes no nível anterior, ou seja, valores em .git/config prevalecem sobre /etc/gitconfig.

No Windows, o Git procura pelo arquivo .gitconfig no diretório $HOME (C:\Users\$USER para a maioria). Ele também procura por /etc/gitconfig, mesmo sendo relativo à raiz do sistema, que é onde quer que tu tenhas instalado o Git no teu sistema.

Se estiveres a usar a versão 2.x ou posterior do Git para Windows, também há um arquivo de configuração de nível de sistema no C:\Documents and Settings\All Users\Application Data\Git\config no Windows XP, e em C:\ProgramData\Git\config no Windows Vista e mais recentes. Este arquivo de configuração só pode ser alterado por git config -f <file> como administrador.

A Tua Identidade

A primeira coisa que tu deves fazer ao instalares o Git é configurar o teu nome de utilizador e endereço de e-mail. Isto é importante porque cada comprometimento no Git usa esta informação, e ela é imutavelmente carimbada nos comprometimentos que tu começas a criar:

$ git config --global user.name "Fulano de Tal"
$ git config --global user.email fulanodetal@exemplo.pt

Reiterando, tu precisarás de fazer isto somente uma vez se tiveres a usar a opção --global, porque então o Git usará esta informação para qualquer coisa que tu fizeres naquele sistema. Se quiseres substituir esta informação com nome diferente para um projeto específico, podes executar o comando sem a opção --global dentro daquele projeto.

Muitas ferramentas GUI vão te ajudar com isto quando forem usadas pela primeira vez.

O Teu Editor

Agora que a tua identidade está configurada, podes escolher o editor de texto padrão que será chamado quando Git precisar que escrevas uma mensagem. Se não for configurado, o Git usará o editor padrão. Se tu quiseres usar um editor de texto diferente, como o Emacs, podes fazer o seguinte:

$ git config --global core.editor emacs

Num sistema Windows, se tu quiseres usar um editor de texto diferente, deves especificar o caminho completo para o arquivo executável. Isto pode ser diferente dependendo de como o teu editor está empacotado. No caso do Notepad ++, um editor de programação popular, é provável que tu queiras usar a versão de 32 bits, uma vez que, no momento da escrita, a versão de 64 bits não suporta todos os plug-ins. Se tu estiveres num sistema Windows de 32 bits ou tiver um editor de 64 bits num sistema de 64 bits, digitarás algo como isto:

$ git config --global core.editor "'C:/Program Files/Notepad++/notepad++.exe' -multiInst -nosession"

If you have a 32-bit editor on a 64-bit system, the program will be installed in C:\Program Files (x86):

$ git config --global core.editor "'C:/Program Files (x86)/Notepad++/notepad++.exe' -multiInst -nosession"

Vim, Emacs e Notepad++ são editores de texto populares comumente usados por desenvolvedores em sistemas baseados em Unix como Linux e macOS ou sistema Windows.

Se não estiveres acostumado com estes editores, precisarás de procurar por instruções de como configurar o teu editor preferido com Git.

Podes achar, se não configurares o teu editor como este, entras num estado realmente confuso quando o Git tenta iniciá-lo. Um exemplo num sistema Windows pode incluir uma operação Git prematuramente encerrada durante uma edição iniciada pelo Git.

Testar as Tuas Configurações

Se quiseres testar as tuas configurações, podes usar o comando git config --list para listar todas as configurações que o Git conseguir encontrar naquele momento:

$ git config --list
user.name=John Doe
user.email=johndoe@example.com
color.status=auto
color.branch=auto
color.interactive=auto
color.diff=auto
...

Poderás ver que algumas palavras chave apareçem mais de que uma vez, porque Git lê as mesmas chaves de arquivos diferentes (/etc/gitconfig e ~/.gitconfig, por exemplo). Neste caso, Git usa o último valor para cada chave única que ele vê.

Podes também testar o que o Git tem numa chave específica digitando git config <key>:

$ git config user.name
John Doe

Uma vez que o Git pode ler o mesmo valor de variável de configuração de mais de um arquivo, é possível que tenhas um valor inesperado para um destes valores e tu não sabe por quê. Em casos como este, podes consultar o Git quanto à origem para este valor, e ele irá dizer-lhe qual arquivo de configuração teve a última palavra ao definir este valor:

$ git config --show-origin rerere.autoUpdate
file:/home/fulanodetal/.gitconfig	false